Werewolves, os filhos da lua

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Werewolves, os filhos da lua

Mensagem por Clave em Sab Fev 27, 2016 6:37 pm

Werewolves


Licantropes possuem uma fama não muito boa. Os mundanos ao passo que idolatram os vampiros em seus mitos e lendas, repudiam os lobisomens. Não se sabe o motivo real dessa aversão genérica mas podemos comprovar que na maioria do tempo, os lobos são seres inofensivos.

A licantropia é uma doença demoníaca, que, acredita-se, surgiu nas florestas da Europa central  em algum momento do século XIII. Acredita-se que esta doença tenha se espalhado rapidamente pela Europa e, em seguida, mais lentamente, pelo resto do mundo. Perseguir e atear fogo publicamente em lobisomens foi um costume do fim do século XV e princípio do XVI, e correspondeu a algo semelhante à caça ás bruxas.

A doença faz do humano um lobisomem, um semihumano cuja infecção demoníaca transforma em um lobo grande e perigoso sob a luz da lua cheia.

Origem


Não se sabe qual demônio ou espécie de demônio é responsável pela primeira aparição dos licantropes. Existe a hipótese de um demônio maior em sua origem, e ele costuma ser referido pelo nome ‘Lobo’ na literatura. Apesar de muitas supostas descrições do Lobo nos escritos medievais, não existe um candidato provável de quem ele possa ser. Ele apareceu, criou os lobisomens e deixou nosso mundo para sempre.

características


Novos lobisomens são criados quando um humano é mordido por um licantrope. Algumas vezes, a mordida provoca licantropia na vítima. Muitas proteções contra mordidas existem, e muito trabalho já foi feito pelos caçadores de sombras e pelos próprios licantropes para evitar ataques inesperados, o que quer dizer que mordidas de lobisomens rebeldes são raras atualmente.

A função de um novo licantrope, sua nova responsabilidade, é aprender a controlar sua mudança ou ‘transformação’. Neste aspecto, o controle é mais importante que qualquer ajuste que ele fizer à nova vida Lobisomens podem viver vidas pacíficas e calmas entre os mundanos. Muito mais que qualquer outra raça do submundo, desde que tenham treinamento e controle. Para regulamentação da Preator Lupus, qualquer licantrope que não consegue controlar conscientemente a sua transformação é considerado rebelde, independente do seu comportamento no restante do tempo. Esta regulamentação serve para motivar os licantropes a aprender a controlar sua transformação — a fim de não terem problemas com a Preator e a comunidade de lobisomens; Eles exigem normas rigorosas para evitar qualquer problema.

Isso é particularmente importante porque licantropes recém-infectados normalmente não tem uma transição suave para a nova vida. À reação licantrope normalmente se juntam a raiva e a agressão descontroladas, ira suicida e depressão. Esse carrossel de emoções é, ao mesmo tempo, terrível e potencialmente perigoso nas mãos de um membro do submundo recém-reforçado e poderoso, que não conhece mais os limites da própria força. Portanto novos licantropes devem ser tratados com cautela.

Segundo todos os relatos, a primeira transformação é a pior, pois se trata de uma experiência nova, mas é importante deixar claro que toda transformação licantrope é traumática. O alongamento e nova formas de músculos e ossos são muito dolorosos, principalmente no realinhamento da espinha. Dentes humanos dão lugar a presas que rasgam as gengivas agressivamente. Isso e as mudanças na química cerebral fazem com que a maioria dos lobisomens fuja durante a primeira transformação e perca qualquer memória do que eles fizeram enquanto lobos.  Esta é a forma mais perigosa dos licantropes — quando ainda não tem controle sobre a transformação e não conseguem conservar a consciência humana quando transformados.

Pior, a maioria dos novos licantropes ainda não tem filiação a nenhum bando e, com isso, não possuem acesso a informações que os ajudaria a compreender a transformação. A Preator Lupus ajuda muito na reabilitação desses rebeldes, e um licantrope rebelde capturado deve ser levado a um escritório local da Preator ou representante e não para o bando mais próximo.

A Preator tem tido muito sucesso na missão dee fez dos lobisomens o modelo do submundo em termos de autopoliciamento; na maior parte do mundo, é raro que os caçadores de sombras sejam chamados para lidar com um lobisomem rebelde, uma enorme mudança desde e a criação desta organização. Contudo, até o mais controlado dos lobisomens ainda será forçado a se transformar com a lua cheia, mesmo que somente na exata meia noite da lua mais cheia. Não existe, portanto, um lobisomem perfeitamente seguro.

Além disso não existe bando seguro de lobisomens. Existe uma violência inerente ao cerne de uma organização licantrope tradicional: o líde pode ser desafiado a um duelo mortal por qualquer membro, a qualquer momento, pela lideraça do bando. Além de centrar toda a estrutura social dos lobisomens em torno de um ritual de morte, isso também siguinifica que a população de lobisomens constantemente comete o que a sociedade mundana classificaria como assassinato em primeiro grau, e tal comportamento pode atrair a atenção das autoridades mundanas.

Um licantrope experiente, para qual a transformação é velha conhecida e não uma invasora, consegue aprender técnicas mais avançadas de alteração de forma; por exemplo, mudar apenas uma das mãos para pata de lobo afim de cortar alguma coisa com as garras;

Tradicionalmente, lobisomens e vampiros se odeiam intensamente, o que acredita-se ser uma condição das respectivas infecções demoníacas, mas há lugares no mundo onde os dois grupos coexistem bem e até são aliados, como, por exemplo, em Praga.


Preator Lupus


Preator Lupus é a primeira e maior organização de autopoliciamento do submundo. Evoluiu de uma pequena força iniciada em Londres, no fim do século XIX, para uma instituição mundial. O nome sugere uma velha organização, ate mesmo antiga, mas na verdade a guarda dos lobos só foi fundada há 150 anos. Seu fundados, Woolsey Scott, era um lobisomem rico de Londres e iniciou a Preator em função do ultimo desejo de seu irmão. A missão autoimposta da organização é encontrar 'órfãos' do submundo e ajuda-los a controlar seus seus poderes e a se filiarem a um clã, um bando ou um feiticeiro mentor.

A relação entre Preator Lupus  e a Clave é de certo modo complicada embora possuam muitos objetivos em comum. Ao passo que os caçadores de sombras tem a noção de que o policiamento do submundo é uma função dos filho dos anjos, os lideres da Preator Lupus entendem que é necessário que exista uma dissociação dos assuntos tratados por eles dos assuntos que a clave compreende como função própria. Eles alegam que, o trabalho deles é impedir que submundanos recém criados inflijam a lei e  a supervisão próxima dos caçadores de sombras nesse assunto prejudicaria a capacidade de proteger seus encargos.

O símbolo da Preator Lupus é facilmente reconhecido e usado com muito orgulho pelos seus integrantes; O símbolo é uma marca de uma pata de lobo decorada co o slogan Beati Bellicosi, 'benditos são os guerreiros.

Durante a guerra maligna a cede principal da guarda foi atacada e os principais líderes da Preator foram assassinados por crepusculares. Felizmente, por serem globalizados, logo foi possível restaurar esta organização.

fraquezas


Além da força sobrenatural, da graciosidade e dos reflexos, os lobisomens têm as mesmas habilidades de cura acelerada que a maioria dos outros membros do submundo. Não são capazes de regenerar — se você cortar o braço de um lobisomem, ele não produzirá um novo —, mas consegue se recuperar da maioria dos ferimentos mundanos. As únicas formas de ferir permanentemente ou ate mata-los são o fogo angelical das laminas serafim ou, mais notoriamente, prata pura; A prata é associada à lua, e ferimentos com prata causam não apenas danos irreversíveis como também muita dor.

vida e morte


Lobisomens são mortais, envelhecem e morrem como qualquer humano. Também são capazes de gerar filhos para os quais não transmitem a licantropia. Podem ter filhos com caçadores de sombras, e, como sangue nephilim prevalece, estes filhos também serão caçadores de sombras.

Importante dizer que, apesar de mortais lobisomens tendem a ter uma juventude prolongada. Isso significa dizer que os traços de velhice tardam a aparecer sobre a pele dos filhos da lua.

pandemonium


Dentro do jogo não serão aceitos lobisomens considerados experientes, não ao ponto de conseguirem transmutar uma parte especifica do corpo por exemplo.

Não há uma restrição de idade, mas lembre-se, lobisomens embora possuam uma juventude prolongada, ainda sim, envelhecem e morrem. Não serão aceitas fichas que relatem, por exemplo, filhos da lua com 150 anos.
avatar
Clave
Entities

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum